segunda-feira, abril 22, 2013

Dia da Terra - 22 de Abril


2 ª Edição do Projeto Aula na Praça ou no Parque

2 ª Edição do Projeto Aula na Praça ou no Parque

Em homenagem ao Dia da Terra (22 de ABRIL), o Projeto Apoema – Educação Ambiental lança a segunda edição do projeto Aula na Praça ou no Parque. Este projeto pretende incentivar a utilização de parques e praças como espaços pedagógicos e lançar um desafio a todos os docentes: o de aplicarem aulas em um parque ou praça que fique próximo da escola. 

O objetivo é integrar as crianças nestes ricos espaços públicos, além de valorizar estes espaços urbanos quase esquecidos pelas administrações públicas e, por consequência, pela população em geral. Sugere-se uma série de atividades que podem ser enriquecidas com atividades planejadas pelos docentes que aderirem. 
Aqueles que quiserem compartilhar suas experiências poderão enviar o registro das atividades e resultados até o dia 15 de junho de 2013 para publicação no site do Projeto Apoema – Educação Ambiental. 

Participação merece premiação: A Escola participante que remeter o relatório conforme o roteiro receberá, gratuitamente, dois livros da Apoema Cultura Ambiental, um para a Escola e outro para a Professora.

Mais informações: www.apoema.com.br






sábado, abril 20, 2013

2ª Edição do Projeto Aula na Praça ou no Parque


2ª Edição do
Projeto Aula na Praça ou no Parque
Berenice Gehlen Adams

Produção:  Projeto Apoema – Educação Ambiental, projeto socioambiental da Apoema Cultura Ambiental
ABR/2013


Saiba como participar em:



sexta-feira, abril 12, 2013

Um amanhecer especial... nas nuvens...

SE EU QUISER FALAR COM DEUS

Gilberto Gil


Se eu quiser falar com Deus

Tenho que ficar a sós

Tenho que apagar a luz

Tenho que calar a voz

Tenho que encontrar a paz

Tenho que folgar os nós

Dos sapatos, da gravata

Dos desejos, dos receios

Tenho que esquecer a data

Tenho que perder a conta

Tenho que ter mãos vazias

Ter a alma e o corpo nus

Se eu quiser falar com Deus

Tenho que aceitar a dor

Tenho que comer o pão

Que o diabo amassou

Tenho que virar um cão

Tenho que lamber o chão

Dos palácios, dos castelos

Suntuosos do meu sonho

Tenho que me ver tristonho

Tenho que me achar medonho

E apesar de um mal tamanho

Alegrar meu coração

Se eu quiser falar com Deus

Tenho que me aventurar

Tenho que subir aos céus

Sem cordas pra segurar

Tenho que dizer adeus

Dar as costas, caminhar

Decidido, pela estrada

Que ao findar vai dar em nada

Nada, nada, nada, nada

Nada, nada, nada, nada

Nada, nada, nada, nada

Do que eu pensava encontrar