sexta-feira, outubro 22, 2010

A arte de sensibilizar

A arte de sensibilizar


Todo Professor Educador Ambiental é um pouco (ou muito) artista também, porque precisa estar criando novas práticas educativas associando-as aos contextos ambientais vivenciados pelas crianças para que a aprendizagem seja significativa.

Em agosto deste ano participei de um evento na UNISC (Universidade de Santa Cruz do Sul) e tive a honra de ouvir o Professor e Doutor Jair Putzke falar que não adianta estarmos preocupados com a Floresta Amazônica, com geleiras, ou com o que acontece lá do outro lado do mundo, se não nos preocupamos com o que acontece na nossa cidade, no nosso bairro, na nossa escola ou em nossas casas.

Em tempos de globalização realmente o mundo parece bem pequeno, e a Internet o diminui mais ainda em termos de distância para troca de informações, e assim é possível saber o que acontece lá na Amazônia, no Cerrado, e até em locais fora do País, antes mesmo de sabermos o que está acontecendo com os parques e com as praças da nossa cidade, por exemplo. Mas a rotina do nosso olhar sobre os acontecimentos globais deve se voltar para os acontecimentos locais. Ela deve e precisa ser quebrada. Precisamos fazer o que está ao nosso alcance, e já! E o que assisti na Feira Literária da Escola Municipal de Ensino Fundamental Presidente Deodoro da Fonseca (Novo Hamburgo/RS, foi justamente isso, um aprofundamento sobre as questões ambientais locais, e a promoção do engajamento da comunidade escolar em busca de soluções para problemas bem próximos.

No evento foi possível ver, sentir, aprender que juntos somos mais fortes, e esse recado dado as crianças é um verdadeiro tesouro. Fica aí a dica de envolver sua escola, seus alunos em questões locais, pois elas estão ansiosas para poder auxiliar na transformação do mundo.

Bere Adams
Informativo Apoema - 79 (em edição)

Um comentário:

claudinha disse...

Tenho a esperança de ver muitas escolas plantando sementes e colhendo muitos frutos saudáveis! PArabéns à todos q participaram !!