segunda-feira, outubro 03, 2011

Tratamento de esgoto e saúde ambiental


Tratamento de esgoto e saúde ambiental
Berenice Gehlen Adams

A água é um dos mais importantes recursos naturais que proporcionam a saúde do planeta. O conceito saúde vem da palavra latina salute, que significa salvação da vida. 
Atualmente desenvolvemos atividades produtivas que comprometem a qualidade das águas, colocando a vida de muitos seres e de ecossistemas inteiros, em perigo. O despejo de lixo, de esgotos residenciais e industriais não tratados, de agrotóxicos das lavouras, é o que promove a poluição e a contaminação de nossos recursos hídricos. 
A saúde do planeta está diretamente relacionada à qualidade da água disponível para consumo, pois muitas doenças são adquiridas quando águas poluídas são ingeridas. As doenças que são transmitidas pela água surgem, principalmente, dos dejetos humanos. Quando não há sistemas de coleta e de tratamento de esgoto, microorganismos patogênicos alcançam os mananciais superficiais ou subterrâneos. 
Pesquisas indicam que 10% das pessoas, que vivem nos países em desenvolvimento, têm doenças transmitidas pela água. No Brasil, segundo o Ministério da Saúde, 70% dos leitos hospitalares são ocupados por pessoas que contraíram doenças transmitidas por contato com água poluída. Para minimizar estes problemas, investimentos em sistemas de coleta e tratamento de esgotos são fundamentais. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), apenas 28,5% dos municípios brasileiros fizeram tratamento de seu esgoto.  Felizmente, em nossa cidade (Novo Hamburgo/RS), a COMUSA - Serviços de Água e Esgoto de Novo Hamburgo – iniciou, já em março de 2011, as obras para o sistema de coleta e tratamento de esgoto. O projeto tem como meta para os próximos três anos tratar 50% do esgoto produzido aqui. Sem dúvida, este projeto trará enorme bem estar ambiental para os recursos hídricos, e se as metas forem alcançadas, em poucos anos o nosso Rio dos Sinos aliviará seu pesado fardo, aumentando possibilidades de recuperação. 

Nenhum comentário: