quinta-feira, dezembro 27, 2012

Em 2013, escute as árvores




Escute as árvores


Escute. Você ouve isto? Você ouve vozes levadas pelo vento? Você ouve folhas sussurrando, os galhos rangendo, uma oração de vozes silenciosas? Elas estão ao redor de nós, e estão nos guiando para nossa cura, para nós mesmos e nosso mundo. Elas nos ensinam lições infinitas de paciência e de paz. Quem são elas? Elas são as árvores e outras plantas que compartilham nosso mundo, e que são ignoradas frequentemente.



(...) apresento a vocês um segredo esquecido de quando eu era uma criança, escutar às árvores.



Como você pode falar com as árvores?

Primeiro, você tem que escolher. Esta talvez é a parte mais dura de tudo: ir além do ceticismo, manter uma mente aberta. Frequentemente é muito mais fácil falar com os animais. Mas plantas? (...)


Em segundo lugar, devemos aprender a respeitar as plantas. As plantas nos dão o oxigênio que necessitamos para a nossa respiração. Árvores nos provêm com madeira para casas e papel. Plantas provêm comida para nós e outros animais. Árvores provêm casas para numerosos tipos de animais. As Plantas ajudam a fertilizar a terra, todos os anos quando elas perdem suas folhas. Plantas nos provêm de medicamentos que nossa medicina usa no dia a dia. Há tantas coisa na nossa vida que nós podemos e devemos agradecer a planta.



Dê um passeio pela natureza e procure uma árvore que você sinta uma conexão. Confie em sua intuição. Note o aparecimento da árvore: sua forma, seu tamanho e sua coloração. Examine a forma de suas folhas, e sinta-a como folhas. Sinta o seu cheiro. Use todas suas sensações para experimentar a árvore. Olhe agora o ambiente da árvore. Como a árvore interage com seu ambiente, com a paisagem, com outras plantas e animais?



Agora sente-se próximo a árvore, com suas costas apoiada na árvore. Permita-se um tempo para relaxar, respirando o ar fresco, tomando várias respirações profundas. Sinta a árvore atrás de você. É dura, áspera ou lisa? Esteja atento a todas suas sensações. Sinta a árvore levando nutrientes em seu tronco através de suas raízes, e levando gás carbônico de suas folhas pelos seus galhos e pelos seus troncos. Sinta os nutrientes que vão de cima para baixo pela árvore. Sinta uma energia que flui na sua espinha como uma espiral ao apoiar-se contra a árvore.



(..) Sinta uma energia fluindo para cima e para baixo em sua espinha. Deixe essa energia crescer. Deixe ela envolver seu corpo. Agora deixe sua energia e a árvore se fundirem. Torne-se UM com a árvore. Simplesmente, sinta a conexão. Sinta que você gosta de ser UM com a árvore. Saiba que você é UM com a árvore.



(...) Vire e abrace a árvore. (...). Quando você sentir que é tempo de ir, agradeça a árvore por tudo que ela fez para você, dando-lhe respostas, provendo-o de energia e, de ar para que você respire. Se você deseja repetir esta meditação com esta árvore em particular, por favor dê pelo menos três dias de intervalo para que a árvore possa recarregar suas energias. Agora note como você está sentindo paz, equilíbrio e amor.


de Lobo dCerradCerrado EJornaldaBand

http://www.anjodeluz.com.br/escutearvore.htm

Foto: Alice Adams. "Bere ensinando a neta Amanda abraço de árvore".

segunda-feira, novembro 26, 2012

Principais temas de educação para o consumo sustentável


Principais temas de educação para o consumo sustentável
Rachel Biderman Furriela


Algumas sugestões de abordagem de ensino para o consumo sustentável podem derivar da análise dos principais problemas ambientais relacionados a padrões de consumo insustentáveis. Algumas abordagens são sugeridas a seguir, a partir de alguns problemas elencados.

Poluição do ar

Dois poluentes relacionados à queima de combustíveis fósseis, o ozônio e o material particulado, causam grandes riscos à saúde humana. Há estimativas da Califórnia de que 3 mil mortes no Estado são causadas anualmente por inalação de material particulado e cerca de 60 mil a 200 mil casos de infecções respiratórias são causadas por inalação de material particulado e ozônio. Os poluentes atmosféricos não afetam apenas as pessoas das grandes cidades. São levados pela ação do clima a outras regiões e depositam-se sobre o solo e a água, causando acidez nos mesmos. Esse problema só pode ser contornado mediante a imposição de medidas drásticas pelos governos, que devem ser planejadas com a sociedade, visando à diminuição da emissão de poluentes atmosféricos. Na Região Metropolitana de São Paulo, entre os anos de 1995 e 1998 foi realizada a Operação Rodízio,2 que visava diminuir os níveis de emissão de poluentes originários da queima de combustíveis dos automóveis. Essa operação de iniciativa governamental permitiu a redução da emissão dos poluentes e obteve sucesso graças à adesão dos cidadãos motorizados, que podemos apelidar também de consumidores-cidadãos. Apesar do sucesso em termos de redução de poluentes e de opinião pública, o governo do estado, por motivos políticos, engavetou a iniciativa, que não gerava votos nas urnas. Foi noticiado recentemente na imprensa que a Ford vai construir caminhões ecologicamente corretos. A montadora Ford ganhou um contrato do Serviço Postal dos Estados Unidos para construir pelo menos 500 caminhões de entrega movidos a energia elétrica, num esforço de desenvolver uma frota ecologicamente correta. A expectativa anunciada pela imprensa é de que o Serviço Postal compre pelo menos 4,5 mil caminhões, podendo este número chegar a 6 mil. O custo estimado de cada veículo é de aproximadamente US$ 39.000 (Financial Times, 1999). A tendência de produção de veículos movidos a energia elétrica vem se firmando nos Estados Unidos (Califórnia), Europa e Japão. Alguns países (EUA e Japão) já aprovaram leis obrigando que uma porcentagem dos carros que saem das montadoras de veículos seja não-poluente. A conscientização do consumidor, por meio de iniciativas educativas, pode incluir o questionamento de posturas relativas aos seus atos de consumo e implicações sobre a qualidade do ar. Um consumidor consciente pode promover algumas medidas para minimizar a poluição do ar, optando por hábitos como:
• escolher um local de moradia que minimize sua necessidade de transporte para consecução de atividades diárias;
• pensar duas vezes antes de comprar o primeiro e o segundo carro;
• optar por um veículo que seja menos poluente (ou até gere emissões zero ou próximas de zero, como algumas opções que estão surgindo nos Estados Unidos ou na Europa, movidos a hidrogênio ou eletricidade);
• estabelecer metas concretas de redução de viagens;
• sempre que possível, optar por caminhar, andar de bicicleta ou utilizar transporte público ou táxi;
• mobilizar-se e exigir das autoridades a construção de sistemas de transporte público compatíveis com suas necessidades.

Mudança do clima no planeta
Há evidência e consenso científico de que o planeta teve sua temperatura elevada nos últimos cem anos. Esse fenômeno foi batizado de .efeito estufa.. A temperatura mais elevada causa uma série de impactos ambientais, como o degelo de calotas polares, que causa o aumento do nível dos oceanos (que podem impactar zonas costeiras). O aumento da temperatura pode ainda alterar os habitats naturais, causando impactos sobre os ecossistemas e a cadeia da vida nesses locais. Outros impactos são o aumento dos níveis de pluviosidade em alguns pontos do planeta e a incidência de maior seca em outros. O consumidor-cidadão preocupado em conter esse problema pode atuar em várias frentes. Alguns questionamentos que podem ser abordados em sala de aula ou em iniciativas educativas na formação do consumidor:
• evitar o consumo de combustíveis fósseis em demasia, ou seja, utilizar o transporte individual apenas para o estritamente necessário, buscando alternativas de transporte como carona, transporte público, andar a pé;
• procurar alternativas energéticas que não causem a emissão de gases efeito estufa, como a instalação de painéis solares para geração de energia;
• as indústrias podem construir geradores de energia utilizando fontes alternativas como: água, vento, álcool, Sol;
• minimizar o consumo de energia elétrica (principalmente nos países em que a matriz de geração de energia é baseada na queima de combustíveis fósseis, como petróleo ou carvão);
• promover campanhas de coleta seletiva no local de trabalho, recreio e em casa. A redução do volume dos lixões pode implicar a redução da formação do metano, gás de efeito estufa.

Alteração de habitats
Os seres humanos historicamente têm exercido enorme pressão sobre a natureza, explorando os bens ambientais de forma avassaladora e irracional para a produção de seu bens de consumo. A conseqüência disso tem sido a destruição e a alteração de habitats naturais. Dentre as principais atividades  destruidoras de habitats, destacam-se exploração de madeira, mineração, agricultura, pesca marinha, alteração e canalização de cursos hídricos, expansão de malhas urbanas. Isso tem acarretado o declínio de populações da fauna e da flora e o desequilíbrio de inúmeros ecossistemas. Algumas ações têm sido implementadas principalmente por governos e organizações não governamentais para reverter, ou ao menos minimizar, os danos causados pela ação antrópica sobre a natureza. Essas ações visam conservar habitats naturais ou recuperar áreas degradadas. Isso beneficia não só a fauna e a flora, mas os seres humanos também, que dependem do equilíbrio da vida no planeta para sua própria sobrevivência.
Dentre as ações que podem ser implementadas pelo cidadão, por empresas ou governos para reverter esse quadro, sugerimos algumas:
• procurar envolver-se como voluntário ou profissionalmente com programas de governo ou de organizações não-governamentais de proteção e conservação da biodiversidade;
• promover técnicas de agricultura, mineração e utilização de recursos naturais que sejam menos impactantes sobre o meio ambiente;
• estabelecer nas propriedades rurais grandes áreas de reflorestamento e conservação da natureza, o que pode beneficiar a propriedade pela melhoria da qualidade do solo, pela geração de água, de um microclima agradável, e beneficiar a sociedade como um todo pelo aumento da área vegetada e preservada, o que repercute sobre vários aspectos da vida;
• criação por parte dos governos de unidades de conservação públicas (áreas de proteção ambiental);
• transformar propriedades privadas em áreas de preservação permanente (ex.: por meio da criação de um parque particular, que no Brasil recebe o nome de Reserva Particular do Patrimônio Natural., mediante consulta ao Ibama . Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis);
• evitar consumir bens que resultaram de exploração inadequada da natureza, o que pode ser verificado pelos diferentes métodos de certificação ambiental (ex.: evitar objetos provenientes de animais ameaçados de extinção, do corte de madeira ilegal ou sem manejo florestal adequado, alimentos produzidos com uso intensivo de agrotóxico, etc.).

Poluição das águas
Diversas são as fontes de poluição que contaminam os recursos hídricos. Os efluentes resultantes de atividades agrícolas, industriais e comerciais, bem como os dejetos gerados pelos seres humanos, têm sido lançados historicamente na vala comum dos rios. Apesar de as leis ambientais de controle da poluição das águas terem evoluído ao longo dos tempos, isso não impediu o lançamento constante de enormes volumes de rejeitos industriais, agrícolas e domiciliares nos cursos hídricos, que tiveram sua qualidade de água comprometida e seus usos limitados. A água é um recurso fundamental para a subsistência de todas as formas de vida no planeta. Esse recurso indispensável vem sofrendo grande pressão em várias partes do mundo, que deverá aumentar em função do crescimento da população e do aumento da produção agrícola e industrial. São grandes os desafios para o gerenciamento do recurso .água., que envolve a solução de problemas como a escassez, a degradação da sua qualidade e a alocação adequada do seu uso. Os recursos hídricos estão distribuídos de forma desigual pelo planeta, alguns países os têm em abundância, outros são sujeitos à escassez. É assustador imaginar, segundo dados da ONU, que a metade dos 12.500 quilômetros cúbicos de água doce disponíveis no planeta já estão sendo utilizados, considerando-se que a população mundial deverá dobrar nos próximos 50 anos e que na década de 1990 o nível de consumo da água cresceu duas vezes mais que o nível de crescimento da própria população. Segundo estudo recente da ONU, intitulado Comprehensive Assessment of the Freshwater Resources of the World (Análise dos Recursos de Água Doce do Mundo), de 1997, cerca de 460 milhões de pessoas, mais de 8% da população mundial, vivem em países com séria falta de água. Outra quarta parte da população mundial vive em regiões que deverão sofrer futuramente séria falta desse recurso (Hunter, 1998). Atualmente, cerca de um quinto da população mundial não tem acesso à água em condições de potabilidade, e um terço da população mundial não tem acesso a saneamento básico. A Organização Mundial de Saúde estima que mais de 5 milhões de pessoas morrem por ano por doenças relacionadas ao consumo de água não-potável e à falta de acesso a saneamento básico e condições de higiene adequadas. Esses números incluem 3 milhões de crianças que morrem de doenças diarreicas, transmissíveis pela água (Watson, 1998). O acesso à água doce é um dos problemas ambientais, econômicos e de saúde mais graves que afetam os países em desenvolvimento. A falta de água e sua poluição causam problemas graves de saúde pública, limitam o desenvolvimento econômico e agrícola e prejudicam os ecossistemas. A manutenção de estoques de água potável para consumo humano (na agricultura, nas casas e na indústria) e para o equilíbrio dos ecossistemas é um desafio crescente para muitas sociedades. A alocação dos recursos hídricos para esses diferentes usos também se tem tornado bastante complexa. Algumas estimativas demonstram que no ano 2025, quando a população mundial provavelmente terá atingido a cifra de 8 bilhões de pessoas, toda a água acessível no mundo para consumo será necessária para atender às necessidades de produção agrícola, uso doméstico e industrial e para o atendimento das necessidades dos ecossistemas (Watson, 1998). O primeiro grande desafio que se coloca para a humanidade é a tomada de consciência de que não existe um suprimento inesgotável de água potável no planeta. Algumas medidas devem ser promovidas para garantir o suprimento de água em quantidade e padrões aceitáveis. O grande desafio da atualidade reside em reduzir o nível de degradação da água por meio de medidas como conservação, melhoria do saneamento básico, redução da utilização de pesticidas, produção industrial mais limpa e gerenciamento do consumo. Algumas medidas citadas pela organização não-governamental Consumers International3 sobre esse tema que podem ser promovidas pelos consumidores de água:
• instalar válvulas hídricas amplamente comercializadas no mercado nas casas e nos locais de trabalho que permitem a economia de água nas torneiras, nos chuveiros e nas descargas;
• promover campanhas para a conscientização sobre o valor econômico e social da água, estímulo ao seu uso racional e proteção de sua qualidade;
• fazer campanhas para aprovação de leis de proteção dos recursos hídricos visando à garantia de sua qualidade e quantidade, inclusive por meio do estabelecimento de valor econômico para o bem .água. e de sua cobrança;
• buscar fontes alternativas de água (ex.: dessalinização da água do mar);
• desenvolver novas técnicas de economia de água para utilização na produção agrícola. Algumas outras medidas pertinentes, principalmente no caso do Brasil, onde prevalece o equivocado conceito de que temos água em abundância:
• evitar hábitos de lavagem de calçadas, quintais e carros em demasia;
• deixar a torneira fechada ao escovar os dentes, tomar banho, lavar louça, fazer faxina, lavar roupa quando não houver necessidade de deixar a água correndo.

Fonte: Ciclo de Palestras sobre Meio Ambiente - Programa Conheça a Educação do Cibec/Inep- MEC/SEF/COEA, 2001

quarta-feira, novembro 14, 2012

Novo livro infantil da Apoema


LANÇAMENTO ON-LINE no Facebook, DIA 14/11/2012 AS 14 HORAS.

UM REINO ENCANTADO POR UM TRIZ



https://www.facebook.com/bereadams
https://www.facebook.com/bereadams

A Apoema Cultura Ambiental convida você para
o lançamento on-line do livro infantil

UM REINO ENCANTADO POR UM TRIZ
Berenice Gehlen Adams
Ilustrado por Ana Claudia Rocha

Esta é uma história emocionante
sobre um reino encantado
que sofre com a falta de chuva.
Todos os habitantes do reino encantado se mobilizam
para buscar uma solução.
O reino está por um triz.
E você ficará encantado por esta história.

AGENDE-SE

Quando: 14 de NOVEMBRO
Onde: Página de evento do Face Book
Horário:a partir das 14 horas.
Participe enviando mensagens para o mural que serão respondidas pela autora.

Detalhes da obra:

Título: UM REINO ENCANTADO POR UM TRIZ

Formato: Tamanho A5 (meio ofício)

Número de Páginas: 28

Sinopse: Um reino encantado passa por dificuldades que não podem ser solucionadas por mágicas, e a busca de solução mobiliza todos os habitantes.

Valor: R$ 28,-

Esta é a 17ª obra da autora. Os outros livros estão disponíveis emhttp://www.apoema.com.br/LivrosdeEA.htm
e lá também será incluído a obra de lançamento, a partir do dia 14/11/2012, para aquisição.
Curta a página da Apoema Cultura Ambiental e e conheça as outras obras:https://www.facebook.com/pages/Apoema-Produ%C3%A7%C3%B5es-Paradid%C3%A1ticas-Ltda-Apoema-Cultura-Ambiental/216917161658492?ref=tn_tnmn

quinta-feira, novembro 01, 2012

Uma indicação que já é um prêmio!

Pessoal, fui indicada - com muita honra - para um prêmio Cidadão do Ano, articulado pelo Jornal NH na categoria SUSTENTABILIDADE. Caso queiram votar é só acessar o link e desde já agradeço muito! Só por ser indicada já me sinto premiada! Abraços, Bere Adams!


Para votar é bem rapidinho: Clique aqui!

quinta-feira, outubro 18, 2012

Quando somos todos Terra


Quando somos todos Terra
Berenice Gehlen Adams

A Terra, alguns a sentem como um imenso ser vivo que viaja pelo universo, e como ela comporta inúmeras espécies vivas, pode ser considerada como uma nau, ou uma nave, que oferece a mais maravilhosa de todas as viagens: a VIDA. 


A Terra valoriza cada minúsculo habitante como seres únicos e exclusivos no universo. Ela não faz distinção! 


Observando o Planeta Terra do espaço, somos todos iguais: invisíveis, é quando percebemos que somos todos TERRA. Somos da Terra, assim como as folhas são das árvores. Somos da Terra, assim como os peixes são da água. Somos Terra assim como as montanhas são do solo. Como as nuvens são do céu, como as abelhas são da colmeia, como as flores são do jardim!






Foto extraída da internet através do Google imagens

Aproximando um pouco este olhar – mas não muito – percebemos que é num entrelaçar de ideologias e filosofias que a vida humana se desenrola na Terra, e neste entrelaçamento, alguns de nós perdemos as referências, mais por necessidades impostas pelo nosso sistema social extremamente consumista, do que por vontade própria, e por isto precisamos constantemente nos reconectar com o Planeta. 


Então, vamos aproveitar esta reflexão para nos proporcionar um momento único de despertar a consciência para aquilo que está adormecido e, portanto, desconectado. Vamos aproveitar este momento para torná-lo único, especial, de reconexão com nosso lar, com a nossa nave, com a nossa nau Terra, que nos proporciona navegar pela vida de corpo e alma. Vamos sentir a vida que circula em nosso corpo e perceber o pulsar do nosso coração, que bate desde o ventre materno. Vamos lembrar da infância, das descobertas, dos sonhos, das histórias e daquilo que queríamos ser... E das músicas, das brincadeiras, da escola, das(os) professoras(es). Vamos percorrer por parques e praças, verdadeiros e imaginários, e adentrar em uma floresta densa que vai se abrindo aos poucos até se tornar um jardim florido com um pomar. Os insetos esvoaçando, um cheiro de mato fresco no ar. 


E para completar esta conexão, vamos imaginar tirar os sapatos – se pudermos fazer mesmo isto, melhor ainda – colocar os pés diretamente no chão, e sentir o que está em nossa base, o que nos sustenta, o que nos mantém vivos. É um momento de abastecimento de energia da Terra, e assim como podemos receber, podemos doar para a Terra a energia dos nossos pensamentos, das nossas ações, das nossas atitudes. Reconectar é ter um momento íntimo e profundo com a Terra!


(...) E abastecidos com essa energia podemos nos tornar vozes da Terra, representando, não somente a nós mesmos como também todos outros seres que coabitam este Planeta.

Que esta reconexão nos renove as esperanças, para buscarmos sempre o melhor, para que o melhor possa acontecer, e para sermos melhores - não do que os outros, - do que somos com a Terra. Assim, reconectados, alcançamos a consciência da importância de assumirmos um compromisso ético planetário, que começa, antes de tudo, dentro da gente, dentro de cada um, para todos podermos ser melhores com a Terra.

sexta-feira, setembro 14, 2012

Metamorfose socioambiental




Metamorfose socioambiental

Bere Adams



Eu reduzo o consumo

Tu reciclas teus resíduos
Nós mudamos o mundo



Eu reciclo meus resíduos

Tu reduzes o consumo
Nós mudamos o mundo



Foto: Duende Jatobá -Artista Plástica Maria Helena Bueno

terça-feira, setembro 11, 2012

Frases de Livros para Educação Ambiental da Apoema

Frases de Livros para Educação Ambiental da Apoema

"A construção da sustentabilidade, em que os humanos coexistam com respeito e em harmonia com os ecossistemas que integram e dos quais dependem, requer alterações profundas nos seus valores e propósitos, mudanças nos meios de produção e consumo, nas políticas governamentais, nos padrões de vida, e, portanto, mudanças na educação" (Liana Márcia Justen).

 "Estamos todos juntos dando as mesmas voltas em torno do sol. Nossa tarefa é cuidar tanto uns dos outros quanto da nossa casa comum, e esta coletânea aparece em tempo de contribuir para a construção da cidadania planetária, condição que nos equaliza a todos, para além dos limites políticos, geográficos, étnicos e culturais, na Terra Pátria, como a define Edgar Morin" (Liana Márcia Justen).

 "Inserir a Educação Ambiental (EA) nas práticas educacionais diárias é imprescindível na Educação Infantil e anos iniciais do Ensino Fundamental, além de ser nossa responsabilidade, como educadores, pois precisamos, com urgência, colaborar para a mudança de postura de hábitos na sociedade. Neste sentido, a EA é crucial" (Berenice Gehlen Adams).

"Ou mudamos para viver com a Terra, ou continuamos a viver para, simplesmente, consumi-la. A escolha... É de cada um!" (Berenice Gehlen Adams).

 Ref:
ADAMS. B.G..Coletânea de práticas para educação ambiental: para professores da educação infantil e anos iniciais do ensino fundamental, Novo Hamburgo, Apoema, 2011.

 Conheça outras publicações:


Acesse também o site do Projeto Apoema e navegue pela Educação Ambiental.

Informativo Apoema 159


 Já está disponível a edição da semana (10/09/2012): o Informativo Apoema 159. 



Pilhas e baterias, resíduos altamente perigosos, além de danosos ao meio ambiente, são destaque desta edição do informativo. Buscou-se trazer importantes informações para subsidiar práticas sobre o tema quando abordados em diferentes espaço de troca de saberes. O destaque ocorre a partir de matéria que divulga a fixação de norma para controle, uso e descarte de pilhas e baterias, pelo IBAMA, e em seu Zoom aborda conceitos relacionados. Além disto, o informativo traz outras notícias e frases para reflexão.

Edição ANO 4 - VOL159 - 10/SET/2012

Boa semana e bom proveito!

41ª Educação Ambiental em Ação

Lançamento on-line da 41ª edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação

É com muita alegria que anunciamos o lançamento de mais uma edição da revista Educação Ambiental em Ação.

Inspirados na frase de Deepak Chopra:  "As árvores são nosso pulmão, os rios nosso sangue, o ar é nossa respiração, e a Terra, nosso corpo"  é que colocamos as mãos na massa para moldarmos esta publicação.

O incrível é que sempre pensamos que poderíamos ter feito mais, e este sentimento advem da urgência para buscas de soluções, diante da magnitude dos dilemas socioambientais atuais.



Foto: Bere Adams

Como este trabalho não se finda em uma publicação, já que estamos na 41ª Edição, sabemos que muito mais podemos fazer, e este fazer que aqui compartilhamos será multiplicado, o que nos conforta e nos incentiva cada vez mais.

Cientes, sim, de que estamos ligados com cada problema que se revela no meio ambiente é que queremos dar nossa contribuição, dentro do que está ao nosso alcance, e aqui colocamos à disposição o trabalho de inúmeras mãos, para cada um de vocês.

Boa leitura,

http://www.revistaea.org 

Berenice Gehlen Adams e
Equipe da revista Educação Ambiental em Ação
A revista está no FaceBook sob a coordenação de Valdir Guedes, da equipe da revista:
https://www.facebook.com/pages/Revista-Educa%C3%A7%C3%A3o-Ambiental-em-A%C3%A7%C3%A3o/269019229779473


7 de setembro


No desfile Cívico do dia 7 de setembro as escolas municipais de Novo Hamburgo se fizeram presentes, marcando a data com muitas homenagens a nossa Pátria, mas foi um dia especial, também, para o Projeto Apoema, que foi homenageado pela escola  Municipal EF Presidente Deodoro da Fonseca. 

Fui convidada pela professora Adriana Backes Macedo para participar do desfile na principal avenida da cidade e posto aqui algumas fotos deste momento tão importante. 

Aproveito para deixar meus agradecimentos, pela homenagem, muito obrigada!!! 






sexta-feira, agosto 17, 2012

DIRETRIZES NACIONAIS CURRICULARES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL


INSTITUIÇÃO DAS DIRETRIZES CURRICULARES DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL
COORDENAÇÃO-GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL  Brasília, 11 de julho de 2012.
 Nota de Divulgação

 Prezados educadores e educadoras ambientais,

A Coordenação Geral de Educação Ambiental do MEC informa que encontra-se disponível na página do Conselho Nacional de Educação (CNE), a Resolução n° 02, de 15 de junho de 2012, que estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Ambiental, bem como o parecer correspondente, n° 14/2012, que foi elaborado e aprovado no pleno daquele conselho em 05 de junho pp.
Convidamos a todos e todas a acessarem esses documentos, em particular o texto da resolução que, aprovada, passou a integrar o marco legal da Educação Ambiental no Brasil, apresentando-se como referência para a promoção da Educação Ambiental em todos os níveis e modalidades do ensino formal.
Igualmente solicitamos a sua colaboração no processo de disseminação e popularização da resolução, passando a incluí-la como documento-referência a ser trabalhado/indicado nos espaços em que atuam como educadoras e educadores ambientais, dentro ou fora da escola. O acesso virtual, portanto, ao parecer e resolução referente as DCNEA, pode se dar via portal do MEC, na seguinte sequência de links:  Órgãos Vinculados; CNE; Atos Normativos – Súmulas, Pareceres, Resoluções; Resoluções e/ou Pareceres CNE; Resoluções e/ou Pareceres CP 2012.
O endereço abaixo remete diretamente a Resolução:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17810&Itemid=866
O endereço abaixo remete diretamente ao Parecer:
http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_content&view=article&id=17631&Itemid=866

Ministério da Educação

quinta-feira, junho 07, 2012

Lançamento on-line da 40ª Edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação


Editorial da 40ª Edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação Junho-Agosto/2012

Fazem exatos 10 anos que a 1ª edição da revista foi publicada
(...)

É com muita alegria que, nesta edição comemorativa de 10 anos de revista, em pleno Dia Mundial do Meio Ambiente e da Ecologia, apresentamos vivências, opiniões, experiências de Educação Ambiental através de entrevistas, artigos, dicas, curiosidades, textos para reflexão, em diferentes seções da publicação. 

Com a frase que nos motivou para esta publicação deixamos o convite para que vocês ingressem com um ritmo mais acentuado e comprometido nesta onda de mudança, para nos tornamos pessoas melhores, menos manipuladas e mais sensíveis para a vida e para a sustentabilidade planetária:
“Uma ética da convivência social supõe o cuidado com o lugar onde estamos: a biosfera”.(Bernardo Toro)

À todos uma boa leitura!




Berenice Gehlen Adams e Equipe da Educação Ambiental em Ação

Junho-Agosto 2012


sábado, maio 26, 2012

Livros para Educação Ambiental

Conheça a série de livros produzidos pela Apoema Cultura Ambiental que enfocam a Educação Ambiental na escola. Conheça e curta!



Florestas: quem poderá defendê-las?





Precisamos das árvores, e como! Mas, ao que parece, nosso Congresso Nacional não sabe disto, pois a maioria das propostas das alterações do Código Florestal Brasileiro deixam nossas florestas ainda mais desprotegidas. Apesar dos 12 itens vetados pela presidente Dilma, a situação é bem preocupante e representa um retrocesso nas conquistas referentes à proteção ambiental brasileira.
As florestas desempenham um papel fundamental para o equilíbrio ecológico e climático do planeta. As copas e raízes, por exemplo, regulam os fluxos de água e amenizam as diferenças de temperatura entre o solo e a atmosfera, contribuindo na promoção do equilíbrio e da estabilidade, necessários para todas as formas de vida do planeta. Mas, florestas continuam sendo derrubadas, e aos montes. Segundo a publicação “Consumo sustentável: manual de educação”, produzida pelo Ministério do Meio Ambiente, o Brasil possui a maior extensão de floresta tropical do mundo – aproximadamente 65% do seu território. Dessa área, dois terços são formados pela Floresta Amazônica, sendo o restante composto por Mata Atlântica, Caatinga, Cerrados, Pantanal, Campos Sulinos e ecossistemas associados. Porém, a mesma publicação aponta que, durante os últimos 80 anos, metade das florestas tropicais desapareceu por causa da destruição dos ecossistemas, por incêndios, por espécies exóticas invasoras, e principalmente pela derrubada de florestas para pastagens e para áreas agrícolas, destacando-se as áreas de produção de grãos como a soja. E para piorar ainda mais a situação, muitas destas áreas são simplesmente abandonadas depois de esgotada sua fertilidade. Somente na Amazônia brasileira são mais de 16 milhões de hectares de áreas degradadas, um verdadeiro descaso com as florestas brasileiras.
Se este já é o retrato das florestas, imaginem como será depois, quando as alterações do Código Florestal Brasileiro entrarem em vigor, uma vez que elas potencializam o desmatamento. Por isso tudo, e mais um pouco, a sociedade consciente e ambientalista clamou: “VETA TUDO, DILMA!” e apesar de tantas campanhas, os poucos itens das alterações vetados pela presidente Dilma ainda deixam nossas florestas à mercê, e, por consequência, mais danos para o Planeta!

Berenice Gehlen Adams - especialista em Educação Ambiental e coordenadora do Projeto Apoema (bere@apoema.com.br)

Fonte da foto: http://www.apremavi.org.br/mata-atlantica/entrando-na-mata/as-florestas-secundarias/

domingo, maio 13, 2012

Veta, Dilma ! artigo de Montserrat Martins


Veta, Dilma ! artigo de Montserrat Martins



[EcoDebate] Corajosa, ao estampar na capa “Veta, Dilma!” a revista “Isto É” faz o oposto da “Veja”, que jamais correu o risco de desagradar possíveis anunciantes. A diferença entre duas revistas nacionais de grande circulação vai além do natural interesse que desperta a mídia, também é uma metáfora de dois modos de pensar sobre negócios, de dois modos opostos de empreendedorismo. Ambas são empresas e visam lucros, mas fazem apostas diferentes. Corajoso é o empresário que acredita na inteligência do seu público e que este apoiará líderes sensatos, que pensam no melhor para toda a coletividade. Conservador, em contraste, é o que acredita que o mundo não muda e aposta apenas no lucro imediato e em ficar sempre bem com os que hoje detém o poder econômico.

Não vamos explicar aqui a descaracterização do Código Florestal, pelo que se apela à Presidenta que vete as mudanças que favorecem os desmatadores. Vamos direto aos interesses em jogo, o agronegócio festejando e os ambientalistas sofrendo a perda das leis que protegiam nosso patrimônio natural. A questão é: será que os grandes empresários rurais teriam que, necessariamente, comemorar o afrouxamento da legislação ambiental ? Pois se a ciência estiver certa – e está – não haverá o que comemorar, com a piora das condições climáticas e dos regimes de chuvas nos próximos anos, em decorrência do próprio desmatamento. Traduzindo em números, isso significa lucros agora, prejuízos depois. Empresários rurais esclarecidos, portanto, deveriam estar tão preocupados quanto os ambientalistas com esse tipo de questão.

Décadas atrás ficou famosa a declaração de um presidente da FIESP, segundo o qual milhares de empresários deixariam o país caso Lula ganhasse as eleições, o que não aconteceu naquele pleito, mas mais adiante, sem que a “profecia” se realizasse. O governo em nome “dos trabalhadores” não levou à falência de ninguém, ao contrário, a ponto de ser hoje acusado como complacente com lucros exorbitantes. Se décadas atrás “trabalhadores” era o termo que metia medo nos negócios, hoje é o termo “ambientalista” que é visto como inimigo dos lucros.As ciências econômicas, aparentemente, ainda não incluem os cálculos dos prejuízos sobre a devastação do ambiente natural – como se pudesse haver economia sem ele.

Montserrat Martins, Colunista do Portal EcoDebate, é Psiquiatra.

EcoDebate, 07/05/2012

[ O conteúdo do EcoDebate é “Copyleft”, podendo ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.
Fonte: http://www.ecodebate.com.br/2012/05/07/veta-dilma-artigo-de-montserrat-martins/

segunda-feira, abril 30, 2012

Campanha Veta Tudo Dilma!



Campanha Veta Tudo Dilma!
Estamos em um momento decisivo. O futuro das florestas está nas mãos de nossa Presidente Dilma, já que os Deputados mostraram que defendem interesses dos ruralistas, aprovando alterações absurdas em momento tão delicado da vida do Planeta. Apelamos, então, à nossa Presidente, pelo veto total às mudanças do Código Florestal!


Compartilhe a imagem, participe desta campanha! As árvores não clamam, mas podemos clamar por elas!




sábado, abril 14, 2012

Blog Aprendendo com Amanda - para mães e avós de primeira viagem

Blog Aprendendo com Amanda - para mães e avós de primeira viagem

Este é um blog que é atualizado por uma mamãe de 1ª viagem, a Alice, e por uma avó, também de 1ª viagem - a Berenice (Vó Bere)! É um espaço de compartilhamento das maravilhosas experiências com a chegada da princesinha Amanda. Trata dos mais diversos assuntos relacionados à maternidade, e dá boas dicas que ensinam a lidar da melhor forma com o bebê, nas horinhas de choro, de sonhinho, e de alguns desconfortos. Ideias simples que trouxeram grandes resultados para melhor cuidar da Amanda!


quinta-feira, março 22, 2012

Sem água, sem vida

Sem água, sem vida
Bere Adams






A água é um elemento natural que mantém a vida no planeta e é considerado um recurso renovável graças ao ciclo hidrológico, que se mantém desde a formação da hidrosfera e da atmosfera, há aproximadamente 3,8 bilhões de anos atrás. Mas é possível perceber que nem o ciclo hidrológico tem aguentado a interferência humana e a falta de valorização deste bem tão precioso chamado ÁGUA.


O problema é que parece que a água não é tão fundamental assim, afinal, como algo, que basta abrir uma torneira e está ali, à nossa disposição, pode ser tão importante? “Para que vou economizar água se posso pagar por ela?”, alguns se perguntam. “A vida inteira esta calçada foi lavada com mangueira e vou continuar, ora bolas!”, afirmam algumas pessoas. E é esta ilusória abundância da água que nos deixa cegos da sua importância.


Eu não tenho, na lembrança, um verão que tenha sido mais quente e com pouca chuva quanto este de 2012. A chuva até que veio, mas em baldes, tempestades que trouxeram em poucas horas a água que deveria vir do céu aos poucos, bem dividida entre os dias do mês. É como ganhar uma bolada na loteria e gastá-la toda de uma só vez. A água se vai toda rapidinho, assim como veio, não tendo tempo para penetrar na terra.


Hoje, no Dia Mundial da Água, vamos pensar nela e no que ela representa em nossa vida, no dia a dia, e vamos nos propor a ter mais cuidado com este bem tão precioso, que cai do céu, sim, mas que além de matar a nossa sede traz pureza para nossa alma.


Rubem Alves, escritor mineiro, em um de seus lindíssimos textos trouxe a tona um ditado antigo: “É a necessidade que faz o sapo pular”. E ele traduziu assim: “É a necessidade que faz a cabeça pensar”. Segundo ele, “quando a gente não sente necessidade a inteligência não se move. Fica paradona, preguiçosa. E se recusa a aprender um punhado de coisas que, na escola, querem que ela aprenda. Às vezes a inteligência se recusa a aprender precisamente porque ela é inteligente! Ela pergunta: para que aprender uma coisa de que não necessito? Mas a sede é uma necessidade. Sem água a gente morre”.


Hoje, e sempre, é dia para se pensar na água para perceber e tomar consciência de que ela é fundamental.


Feliz Dia Mundial da ÁGUA!

domingo, março 18, 2012

Revista eletrônica Educação Ambiental em Ação

Convite para lançamento on-line da
39ª Edição da revista eletrônica Educação Ambiental em Ação

Editorial Março-Maio/2012

“Depois de nos precavermos contra o frio, a fome e a sede, tudo o mais não passa de vaidade e excesso.” (Séneca)

Esta frase serviu de inspiração para a equipe da revista trabalhar nesta edição que inaugura o ano de 2012 com muita Educação Ambiental focada em valores e atitudes.

Fomos, também, incentivados pelo desejo e pela necessidade de uma tomada de consciência mais profunda, aquela que realmente sensibiliza e promove mudanças em diversos setores da sociedade, através da Educação Ambiental, diante de tantas situações preocupantes que vivenciamos na atualidade.

Há excessos, há faltas, e assim, há o desequilíbrio, não só o ambiental, como também o vivencial. Presenciamos situações inimagináveis de descaso e abandono. Um caos social (e político) se reflete no ambiental, e o nosso maior objetivo é colaborar para minimizar situações provocadas por atitudes desmedidas e gananciosas.

É por isto que esta edição está repleta de ações, dicas, sugestões, relatos de experiências em Educação Ambiental através de artigos, entrevistas e textos, espalhados em diversas seções que a compõe. Estes trabalhos indicam ou sinalizam soluções para muitos dos problemas enfrentados confirmando que a Educação Ambiental é uma das mais potentes ferramentas para a promoção destas mudanças.

Para nós, trata-se de um importante evento de Educação Ambiental o lançamento desta revista, e por falar em eventos, o ano de 2012 tem marcado em seu calendário dois importantíssimos na área da Educação Ambiental (Ver Seção Divulgação de Eventos da Edição 38). O primeiro deles é o VII Fórum de Educação Ambiental Brasileiro (http://viiforumeducacaoambiental.org.br/ ), que ocorre neste mês de março. Ou seja, o forno já está quente, a massa está sendo preparada e falta pouco para este “bolo” ficar pronto para ser “saboreado”. O segundo importante evento é o da Rio + 20 (http://www.rio20.gov.br/) , ou a nova Conferência das Nações Unidas sobre Desenvolvimento Sustentável que será realizada de 13 a 22 de junho, na cidade do Rio de Janeiro. A Rio+20 é assim conhecida porque marca os vinte anos de realização da Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (Rio-92) e deverá contribuir para definir a agenda do desenvolvimento sustentável para as próximas décadas.

E é com a frase de Dale Carnegie que encerro este editorial: ‎"A maior parte das coisas importantes no mundo foram realizadas por pessoas que continuaram tentando quando parecia não haver esperança de modo algum."(Dale Carnegie)

Boa leitura e boas ações ambientais

www.revistaea.org


Berenice Gehlen Adams e equipe da Educação Ambiental em Ação.

terça-feira, março 13, 2012


Dica de vídeo
DIRT! - um filme absolutamente imperdível

O filme "DIRT! The Movie! " é um documentário excelente, divertido e sério, absolutamente imperdível, que conta a história surpreendente e pouco conhecida da relação entre humanos e o solo vivo, de quanto esses poucos centímetros da camada superficial da Terra são importantes para a sobrevivência e futuro da vida e das sociedades humanas, e de como a agricultura convencional de larga escala o está a destruir:

Um extrato desse filme, a história do beija-flor e do incêndio na floresta contada por Wangari Maathai, já por aqui passou. Agora, vem o resto! Gostei tanto quando o vi há umas semanas na Casa da Horta , integrado no 1º Curso de Planeamento em Permacultura do Porto , que não resisti a partilhá-lo logo que o descobri legendado.

http://blip.tv/gmomovies/terra-6016384




DIRT! The Movie, está desde ontem disponível online no canal gmomovies com legendas em português, com o título "Terra". Aproveitem! É mesmo muito bom!




Fonte: http://sustentabilidadenaoepalavraeaccao.blogspot.com/2012/03/dirt-um-filme-absolutamente-imperdivel.html?spref=fb

quinta-feira, março 08, 2012

domingo, fevereiro 26, 2012


Assessoria pedagógica de Educação Ambiental para empresas e escolas

E-mail Assessoria: bere@apoema.com.br



A Apoema Cultura Ambiental, mantenedora do Projeto Apoema - Educação Ambiental, além de oferecer livros paradidáticos para suporte da Educação Ambiental escolar, também presta assessoria para a implementação da EA.

A assessoria tem como foco a análise de projetos de Educação Ambiental, realizados tanto nos ambientes escolares como também nos ambientes empresarias. A análise é feita através do envio das informações e dos materiais didáticos utilizados na realização da EA. Após um detalhado diagnóstico, serão apontadas sugestões para o aprimoramento do processo educativo, bem como assessorar na elaboração de projetos de EA (caso a empresa ou a escola não tenha um projeto implantado) e de materiais adicionais como manuais e apostilas, elaboração de materiais pedagógicos como textos de apoio, dependendo do contrato requerido.

Como requisitar assessoria:

- Ao entrar em contato, via e-mail, para solicitar assessoria, especifique resumidamente as atividades de EA desenvolvidas e defina quais são as reais necessidades que levaram a empresa ou escola a buscar a realização de um diagnóstico, ou se deseja implantar um projeto de EA.

- Com base nas necessidades apresentadas, será elaborado um orçamento detalhando todos os passos necessários da assessoria que será remetido, via e-mail, ao solicitante. Após aprovado, será remetido um contrato a ser assinado.

- Após o contrato assinado, a escola ou a empresa que busca esta assessoria se compromete a enviar, imediatamente, pelo correio, todo material impresso referente ao processo de Educação Ambiental para ser analisado e avaliado (projeto, material didático de apoio: apostilas, manuais, etc).

O material será analisado e o retorno da análise com as respectivas sugestões para o suprimento de possíveis lacunas pedagógicas aparentes no processo do diagnóstico se efetivará nos prazos estipulados no contrato.



Como requisitar confecção de material didático pedagógico de Educação Ambiental



Formulamos textos didáticos para escolas e empresas, para composição de livros e cartilhas para Educação Ambiental.

O orçamento pode ser solicitado enviando os seguintes dados:


Tema do material:

Público alvo:

Número de páginas:

Tempo para execução:


Para este trabalho é cobrado 40% do valor do orçamento no momento em que a proposta for aceita, ficando o restante a ser pago após aprovado o material.

Não imprimimos, nem editamos o material.


E-mail para contato> bere@apoema.com.br



Empresas que já realizaram trabalhos com Berenice Gehlen Adams



Grupo Expoente - Curitiba/PR

1. ADAMS, B. G. . Por um mundo melhor - Para Docentes da Educação Infantil ao Ensino Fundamental I. 2008. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Elaboração de pesquisa para produção textual e sugestões de atividades educacionais *).
2. ADAMS, B. G. . Por um mundo melhor - Para docentes do Ensino Fundamental II ao Ensino Médio. 2008. (Desenvolvimento de material didático ou instrucional - Elaboração de pesquisa para produção textual e sugestões de atividades educacionais*).



Empresa Foz do Brasil - Blumenau/SC

1. ADAMS, B. G. . Material didático de Educação Ambiental para professores da Educação Básica - 1º ao 3º Ano, 2010.

2. ADAMS, B. G. .Material didático de Educação Ambiental para professores da Educação Básica - 4º ao 6º Ano, 2010.



Embraco - Joinville/SC

Participação como jurada em duas edições do Prêmio Embraco Ecologia (2009 e 2011)



Amcham/SP  -  American Chamber of Commerce for Brazil São Paulo

Participação como jurada nas edições:

4. ADAMS, B. G.. Prêmio Eco 2008. 2008. American Chamber of Commerce for Brazil São Paulo.
5. ADAMS, B. G.. Prêmio Eco 2007. 2007. American Chamber of Commerce for Brazil São Paulo.
6. ADAMS, B. G.. Prêmio Eco 2006. 2006. American Chamber of Commerce for Brazil São Paulo.
7. ADAMS, B. G.. Prêmio Eco 2005. 2005. American Chamber of Commerce for Brazil São Paulo.


Principais palestras e participações em eventos de EA, em Universidades e Empresas

USP/São Carlos - SP

UFRJ/Rio de Janeiro - RJ

UNISINOS/São Leopoldo - RS

OMEP/Santo André - SP

SMED/Encruzilhada do Sul - RS

Câmera dos Vereadores de São Paulo/ São Paulo - SP

SMED/Estância Velha - RS

Tractebel - Charqueadas/RS

SMED/Charqueadas - RS

UNISC/Santa Cruz do Sul - RS

REBEA - V Fórum Brasileiro de EA/Goiânia - GO

REBEA - VI Fórum Brasileiro de EA/Rio de Janeiro - RJ


Berenice Gehlen Adams
Assessoria em EA pela Apoema Cultura Ambiental

(Obs. Contratação de palestras com três meses de antecedência.)
 *Base pedagógica do material necessariamente deve levar em conta a proposta metodológica do Projeto Apoema - Educação Ambiental www.apoema.com.br


E-mail Assessoria: bere@apoema.com.br

terça-feira, janeiro 31, 2012

VII FÓRUM BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL INSPIRA CONEXÃO INÉDITA DE EDUCADORES, ENTRE SUZANO E SALVADOR


VII FÓRUM BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL INSPIRA CONEXÃO INÉDITA DE EDUCADORES, ENTRE SUZANO E SALVADOR

Começa nesta 6a feira, 03/02, às 18h30, o 1º Encontro de Educadores Ambientais Populares de Suzano, evento pioneiro na região, no qual - partindo do propósito de integrar os cerca de 240 participantes de um inédito Programa Municipal de Educação Ambiental Popular organizado neste município da Grande São Paulo em 2011 - instigará estas pessoas a se conectarem aos temas do VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental (VII FBEA), como ponte para a Rio+20, conferência da ONU a ocorrer em junho próximo, no Rio de Janeiro.
Quem detalha é a bióloga e educadora ambiental Maria Henriqueta Raymundo, coordenadora deste trabalho na prefeitura de Suzano, e da área de Encontros das Redes e Coletivos do VII FBEA, que acontecerá entre 28 e 31 de março em Salvador (BA), sendo o maior evento da educação ambiental no país e marco preparatório para a Rio+20.
"Em 2011, promovemos oito oficinas locais da II Jornada Internacional do Tratado de Educação Ambiental, que é um dos eixos temáticos do VII FBEA. A programação, aberta para todos munícipes, atraiu pessoas de todas as idades e diferentes perfis profissionais", diz ela
Agora, todos os formandos foram convidados ao Encontro de Suzano, que prosseguirá até domingo, 05/02, com dois desafios aos participantes. Primeiro, debater os tres eixos temáticos (fortalecimento dos educadores em rede, aprofundar o Tratado Internacional de Educação Ambiental, e questões centrais da Rio+20), e os oito níveis de sustentabilidade propostos pelo VII FBEA: educação, cultura, economia, espiritualidade, saúde, política, ecologia e comunicação.
Em seguida, conforme padrões do trabalho colaborativo, deverão tomar parte de reuniões, rodas de conversa e usar a internet a fim de avançar em propostas de sensibilização e mobilização da sociedade para estas questões. Ao final, por eleição direta, dois educadores populares de Suzano serão escolhidos pela turma como representantes do grupo no FBEA, em Salvador, Bahia, no final de março.
Missão cheia de responsabilidades, explica a coordenadora, ao contar que os dois representantes deverão registrar o evento com entrevistas, vídeos, fotografias, e - no último dia - haverá uma transmissão ao vivo com os educadores ambientais populares que ficaram em Suzano, para trocas de informações, reflexões, ações e imagens, de modo a animar os diálogos da Reunião Local do VII Fórum, que estará em curso em Suzano.
"É uma forma desafiadora adotada pelo Programa Municipal de Educação Ambiental Popular da Prefeitura de Suzano para fazer a conexão das questões locais, regionais, nacionais e globais, colocando em prática os princípios básicos da educação ambiental", encerra a coordenadora, ao dizer que o Brasil tem avançado da Educação Ambiental. "Tivemos um salto de qualidade a partir de 2003, quando foi regulamentada a lei que estabeleceu a Política Nacional de Educação Ambiental. Hoje, Educação Ambiental é pensada, vista e desenvolvida como política pública."

SOBRE O VII FBEA
Realizado pela Rede Brasileira de Educação Ambiental - REBEA (formada pela articulação de 45 redes e coletivos de educação ambiental no país), com a Rede Baiana de Educação Ambiental - REABA, e Instituto Roerich de Paz e Cultura do Brasil, o VII FBEA já conquistou o apoio institucional de três Ministérios - da Educação, do Meio Ambiente e do Desenvolvimento Agrário -, além de órgãos estaduais - Secretarias Estaduais do Meio Ambiente, da Educação e do Planejamento -, da Itaipu Binacional, do CNPq e do SESC-BA.
O VII Fórum Brasileiro de Educação Ambiental (VII FBEA) tem um espaço virtual, onde dá para buscar mais informações (inclusive de hospedagem mais barata) e fazer inscrições: http://viiforumeducacaoambiental.org.br.


* Sites:
 http://viiforumeducacaoambiental.org.br/ (VII FBEA)
http://midiasocial.rebea.org.br/ (Mídia Social REBEA)
* http://www.facebook.com/viiforumea (Facebook); 
* https://twitter.com/viiforumea (Twitter); 
* http://pt.scribd.com/viiforumdeea (Compartilhamento de docs. do processo de organização).


Se possível, dissemine essa notícia em sua rede

 Silvia Czapski / Comunicação VII FBEA

comunicaforumea@gmail.com



--
VII FÓRUM BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL
RUMO À RIO+20 E ÀS SOCIEDADES SUSTENTÁVEIS
28 a 31 de março de 2012 
Centro de Convenções da Bahia
Salvador - Bahia
Facebook  /  twitter

PARTICIPE:
submissão de propostas
inscrições com desconto
até 12/fevereiro!

quarta-feira, janeiro 18, 2012

Prêmio de Sustentabilidade – Green Project Awards


Estão abertas as inscrições para o Prêmio de Sustentabilidade


Estão abertas as inscrições para o Prêmio de Sustentabilidade – Green Project Awards
Estão abertas as inscrições para a versão brasileira do prêmio Green Project Awards (GPA). Os candidatos que desejem inscrever seus projetos e iniciativas sustentáveis poderão acessar o site www.gpabrasil.com.br e preencher os formulários online para concorrer ao Prêmio.
O concurso possui quatro categorias : iniciativas desenvolvidas por jovens (estudantes ou não) de até 24 anos; projetos que já tenham sido tema de dissertação ou publicação científica; produtos ou serviços já concretizados nas áreas de desenvolvimento social, economia, ética e meio-ambiente e, por último, campanhas e ações de sensibilização e informação.
Os trabalhos premiados serão selecionados por uma Comissão Julgadora constituída por diferentes personalidades do setor e presidida por Marilene Ramos, Presidente do Instituto Estadual do Ambiente. Os vencedores serão anunciados em cerimônia de entrega dos prêmios em julho.  A auditoria do prêmio será conduzida pela KPMG.
A premiação é organizada pelo Instituto Nacional de Tecnologia (INT), em parceria com a GCI, e conta com o apoio do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, do Ministério do Meio Ambiente, Governo do Estado do Rio de Janeiro, através da Secretaria do Estado do Ambiente e Prefeitura do Rio de Janeiro.
Para mais informações sobre o regulamento do Prêmio, acesse www.gpabrasil.com.br/candidaturas/regulamento. Siga também o GPA no Twitter e no Facebook e fique por dentro de todas as novidades sobre a premiação.

domingo, janeiro 01, 2012

Dia 1º de Janeiro - DIA MUNDIAL DA PAZ


Dia 1º de Janeiro - DIA MUNDIAL DA PAZ 


É hora de paz


E fez-se então, a hora da paz
Os povos calaram-se
simultaneamente
E ouviram a voz das águas
Das montanhas, da natureza
Dos animais, e nada mais
O ar soprou forte
Fazendo folhas rodopiarem
Ninguém agiu nem falou
Ninguém se moveu
E então,
A humanidade entrou
Na imensidão do silêncio
E vivenciou
A mais perfeita paz
Naquela hora
Nenhuma arma foi acionada
Nenhuma máquina foi ligada
Nenhuma agressão foi cometida
Nenhuma sirene soou
Nenhum alarme disparou
Apenas funcionava
O que da vida cuidava
E, pela primeira vez
A humanidade conheceu a paz
Minutos antes de terminar
Todos estavam armados
Com uma pequena semente
Que ao soar o sinal programado
Foram lançadas à terra
Em todo o mundo
A paz foi semeada
Na Terra
E no coração
De cada um


O sábio que profetizou
A hora da paz
Proclamou à humanidade:
"E uma nova linguagem há de vir
Há de vir para ficar
Que traduz união
Justiça, igualdade
É a linguagem da paz
Somos todos irmãos
Somos todos iguais
Somos filhos da Terra
do Sol, da Água, do Ar
Somos todos peregrinos
Por esta Terra a viajar
Entrando para o novo milênio
Com a mais intensa missão
A missão de promover a paz
Uma nova linguagem
Há de vir
Há de vir para pacificar
Que traduz a Fé
A esperança, o amor
É a linguagem da paz
Que será falada, sentida, cantada
De norte a sul, de leste a oeste
Em todo planeta terrestre
Ecoará pelos confins da alma
E se expandirá pelo imenso universo
É a linguagem da paz
Que todos conhecerão
Que virá de dentro de cada ser
Para promover a união
Até que um só povo
Um povo multicor
De mãos dadas dançará
Entoando a mais bela canção
Todos a uma só voz
Unidos
Em nome da PAZ 


Berenice Gehlen Adams 
Fonte: http://www.apoema.com.br/textos1.htm